Secretário afirma que amizade entre delegados não deve interferir em investigação dos grampos


0
Foto: Reprodução

Fonte: Olhar Direto

O secretário de Segurança Pública (Sesp), Alexandre Bustamante, afirmou que a amizade entre os delegados Rafael Mendes Scatolon, um dos responsáveis por investigar o esquema dos grampos ilegais em Mato Grosso e Gustavo Garcia, um dos prováveis indiciados na mesma ação, não deverá interferir no inquérito. Os dois foram fotografados juntos, em um churrasco entre amigos.

“Não acredito que tenha participação de forma positiva ou negativa. São delegados, companheiros, amigos, que podem ir em churrasco. O lado profissional fala mais alto. Qualquer delegado que esteja prejudicando o serviço em nome da amizade, responderá por isto. Não acredito que estes profissionais que estão investigando os grampos farão isto. Até porque, estão apurando uma questão de desvio”, disse o secretário nesta quinta-feira (15).
 
Para Bustamante, não está havendo demora para a conclusão das investigações. “É um caso complexo, que demanda atenção. Foram designados três delegados especiais. Se estivesse na vala comum, ai sim nós não estaríamos dando atenção. Por isso temos três delegados. Não é um caso simples de resolver. Nem tudo acontece na velocidade que queremos e precisamos”.
 
Rafael Mendes Scatolon e Gustavo Garcia foram fotografados juntos em um churrasco entre amigos. O fato, inclusive, teria gerado um pedido interno de suspeição de Scatalon, que deverá seguir nas investigações. Além dele, também estão no caso as delegadas Luciana Batista Canaverde e Jannira Laranjeira Siqueira Campos.
 
As investigações apontaram que Gustavo Garcia teve participação na obtenção do depoimento da delegada Alana Cardoso, que contou ter sido constrangida em uma oitiva ilegal feita por Gustavo e pelo ex-secretário de segurança, Rogers Jarbas. O fato teria ocorrido no fim de maio do ano retrasado.
 
Gustavo teria feito várias ligações para a delegada. Segundo Alana, o discurso era de que ele queria reatar a amizade que tinha com ela. Porém, quando chegou, cabou sendo coagida a depor sobre os, de forma ilegal e sem nenhum procedimento instaurado. Isto leva a delegada a crer que o novo gestor da pasta foi primordial para a ida da policial até a secretaria.
 
Para convencer a delegada a ir até a secretaria, Gustavo teria utilizado uma técnica aprendida em curso de inteligência, quando realizou os telefonemas pré-ordenados e em dias consecutivos. A ação é denominada de ‘recrutamento’. Conforme Ana Cristina Feldner, o novo secretário já até ministrou um curso de quatro meses sobre essa área, no Estado do Rio de Janeiro.
 
Grampos
 
Uma reportagem do programa "Fantástico", da Rede Globo, revelou na noite de 14 de maio que a Polícia Militar em Mato Grosso “grampeou” de maneira irregular uma lista de pessoas que não eram investigadas por crime.
 
A matéria destacou como vítimas a deputada estadual Janaína Riva (PMDB), o advogado José do Patrocínio e o jornalista José Marcondes, conhecido como Muvuca. Eles são apenas alguns dos “monitorados”.
 
O esquema de “arapongagem” já havia vazado na imprensa local após o início da apuração de Fantástico.
 
Barriga de aluguel
 
Os grampos foram conseguidos na modalidade “barriga de aluguel”, quando investigadores solicitam à Justiça acesso aos telefonemas de determinadas pessoas envolvidas em crimes e no meio dos nomes inserem contatos de não investigados.
 
Neste caso específico, as vítimas foram inseridas em uma apuração sobre tráfico de drogas.

Deixe um comentário