Ex-namorado teria deixado gás de cozinha aberto para matar adolescente em Várzea Grande


0
Foto: Reprodução

Fonte: Olhar Direto

Responsável por matar a ex-namorada Laine Alves Dias, de 16 anos, com uma pedra, Weverton Cleber, 25, teria ido até a casa da vítima na noite anterior e deixado a saída do gás da cozinha aberta. A informação foi repassada por uma testemunha após a prisão do acusado, que foi realizada na segunda-feira (28), em Várzea Grande (região metropolitana de Cuiabá).

A investigação contou com empenho de diversas equipes da Delegacia de Homicídio e Proteção à Pessoa de Cuiabá (DHPP). Em depoimento, Weverton apresentou álibis contraditórios, porém depois acabou confessando o crime e contando detalhes.

Weverton afirmou que cometeu o crime com uma pedra. Segundo ele, esteve na residência de Laine na noite anterior e depois foi embora para a casa de sua mãe, no bairro São Benedito.

Por volta das 5h, ele voltou para a residência da ex, quando pegou uma pedra no quintal e arremessou contra o rosto da vítima. Logo depois, jogou a pedra próximo da casa e foi embora.

Weverton foi autuado em flagrante pelo delegado plantonista Caio Fernando Albuquerque por homicídio qualificado (motivo fútil, uso de meio cruel, recurso que impossibilitou defesa da vítima e feminicídio).

Ele foi encaminhado para a realização de exame de corpo de delito e posteriormente para a unidade prisional do Capão Grande, em Várzea Grande.

O inquérito policial será conduzido pela delegada Eliane Moraes que representará à Justiça pela conversão da prisão em flagrante por prisão preventiva.

O crime

O corpo da vítima estava sobre a cama e apresentava ferimentos na face. Os policiais constataram que o local não apresentava vestígios de briga, mas a porta da casa não estava com sinais de arrombamento.

Durante o atendimento à ocorrência, o ex-namorado da vítima esteve no local e informou aos policiais que na sexta-feira anterior, havia terminado o relacionamento com Laine e que estaria preocupado por ela não ter atendido as ligações da patroa.

O suspeito disse também que pediu a seu ex-padrasto e a um amigo que fossem até a casa verificar se a vítima estava na residência e ela não teria respondido a ambos os chamados. O amigo então foi à casa do suspeito e juntos retornaram para a residência da vítima, conseguiram abrir a janela do quarto e a avistaram deitada na cama, quando então acionaram a Polícia Militar.

Após os procedimentos no local do crime, a equipe da DHPP ouviu na delegacia diversas pessoas, entre elas o suspeito, a mãe dele e outras que conheciam o ex-casal. Diligências e testemunhas ouvidas corroboraram as informações de que a vítima e o suspeito tiveram um convívio conturbado, marcado por ciúmes por parte do rapaz.

Outras diligências realizadas pelas equipes de investigação, que contaram com a colaboração do Núcleo de Pessoas Desaparecidas da DHPP, indicaram que o suspeito esteve no local no momento do crime.

Deixe um comentário