CBF não divulga áudios do VAR de gols anulados em jogo entre Cuiabá e Bahia


0
Reprodução

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) não divulgou os áudios do VAR da partida entre Cuiabá e Bahia, válida pela 34ª rodada, em que dois gols do Dourado foram anulados de forma polêmica e com confirmação da tecnologia. Segundo a entidade, os lances não fazem parte do protocolo de divulgação.

A CBF disponibilizou os áudios de Fortaleza x Palmeiras, Internacional x Flamengo e Atlético-MG x Juventude. Porém, os do duelo entre Cuiabá e Bahia não saíram.

Em nota encaminhada ao ge, a assessoria de imprensa da CBF afirmou que os lances reclamados pelo Cuiabá não fazem parte do protocolo de divulgação dos áudios.

“É necessário ressaltar que serão divulgadas, na íntegra, as imagens e áudios das revisões realizadas pelo VAR, ou seja, lances em que o árbitro vai até a cabine de revisão ou quando há uma revisão factual com mudança da decisão de campo. Além dessas, durante uma partida a equipe na sala de operação do VAR realiza dezenas de checagens, a maioria delas de forma silenciosa (sem precisar comunicar o árbitro de campo). Por fins de objetividade, portanto, apenas as revisões serão disponibilizadas”, explicou a nota.

A assessoria do Cuiabá informou que os áudios não foram encaminhados diretamente para o clube.

Os áudios passaram a ser divulgados a partir da 29ª rodada do Brasileirão, além de jogos adiados.

Antes da ‘não divulgação’, a diretoria pediu uma análise e um parecer da Ouvidoria, além de solicitar os áudios do VAR nos lances.

O Dourado teve dois gols mal anulados, mesmo com a intervenção do VAR no lance do impedimento inexistente após o toque de Max para Felipe Marques.

O Cuiabá explica que, com a implantação do VAR, a Fifa realizou alguns ajustes nas regras e definiu que o sistema de tecnologia tem que captar a imagem para definir a linha de impedimento no momento zero, ou seja, no contato da bola para o passe e não no momento um, na saída da bola.

“Essa definição veio para não deixar nenhuma dúvida ao analisar a imagem em câmera lenta. No caso do Dourado, a imagem mostrou claramente que a bola já tinha saído dos pés do meia Max após o VAR traçar as linhas de impedimento”, diz trecho da nota publicada pelo time mato-grossense.

“O Raphael Claus é um dos melhores árbitros do quadro nacional, é um árbitro FIFA, sempre com atuações seguras, os jogadores respeitam muito e consegue ter o controle da partida. E ontem tivemos dois erros gravíssimos. No primeiro erro, o VAR marcou a linha no momento errado, depois da bola ter saído do pé do Max. Gravíssimo. O segundo marcou uma falta inexistente e que o árbitro estava de frente”, disse o vice-presidente Cristiano Dresch.

Ainda na nota, o Cuiabá pede lisura e imparcialidade dos árbitros nesta reta final de Série A do Brasileiro. “O clube, prestes a completar 20 anos, tem um trabalho sério e honesto e não irá admitir mais erros dessa natureza que podem custar o esforço de um ano inteiro”.

“Os árbitros estão entrando nos jogos pressionados. Essa pressão acaba virando uma bola de neve. O que aconteceu em Flamengo e Bahia foi um reflexo do que o Flamengo fez por causa do jogo da Chapecoense. E o Bahia fez um escarcéu enorme na mídia. Aí cria uma pressão desnecessária na arbitragem. Quem arcou com as consequências dessa pressão foi o Cuiabá. O árbitro não estava mal-intencionado, mas a pressão era tão grande nas costas que ele vai marcar a favor do prejudicado antes. O mínimo que ele deveria ter feito era ter revisado o segundo gol pelo VAR. O Cuiabá não precisa ser ajudado, só precisamos que não sejamos prejudicados. Deixamos de fazer três pontos por dois erros de arbitragem. Isso não pode acontecer. Essas pressões estão atrapalhando. Não adianta ir à mídia chorar e criar pressão. Não queremos nenhuma vantagem. Ele estava pressionado, foi feito toda uma campanha, e ele na dúvida ele ia dar sempre para o mandante”, finalizou Dresch.

Fonte: Olhar Direto

Deixe um comentário