Uma assessora parlamentar e um advogado são presos em uma operação contra o tráfico em Cuiabá

0
1411
Foto: Montagem Olhar Direto
CAMARA VG

A assessora da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) Maria Eduarda Aquino Costa e o advogado Rodrigo Figueiredo estão entre os detentos da Operação Doce Amargo 3, deflagrada pela Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE), na terça-feira (5), em desfavor de traficantes de drogas sintéticas que atuam na região metropolitana de Cuiabá. São 151 ordens judiciais, das quais 43 são de prisão preventiva, 54 de busca e apreensão e mais 54 de bloqueio de contas.

A reportagem apurou que Duda Aquino, como é conhecida, foi presa em seu apartamento, no Ed. Vivendas do Bom Clima, no bairro Residencial Paiaguás. A jovem foi nomeada para uma vaga de assessoria no gabinete da Primeira Secretaria da ALMT, com um salário bruto mensal de R$ 3.433.

Rodrigo Miranda de Figueiredo, por sua vez, foi preso em um edifício no bairro Goiabeiras, uma região de grande luxo, em Cuiabá. O jurista atua como assessor jurídico no Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT)

Os atos de ordem judicial foram expedidos pelo Núcleo de Inquéritos Policiais (Nipo) de Cuiabá, após uma representação por medidas cautelares elaborada pelos delegados da Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE) com base nas investigações realizadas pelas equipes policiais da especializada.

De acordo com o delegado Gutemberg Lucena, a operação segue as investigações da Operação Doce Amargo, incluindo os mesmos alvos das outras etapas.

De acordo com os delegados da DRE, a maioria dos alvos são jovens de classe média alta, inclusive estudantes de medicina. “São pessoas que têm bons empregos e que fazem parte de grupos criminosos”, disse.

Uma das formas mais comuns de tráfico de drogas sintéticas é o rateio para a aquisição de mais quantidade. Dada a alta importância do valor, os criminosos prosseguem com a distribuição entre outros pequenos traficantes, que vendiam as drogas em festas ou por meio de delivery.

Alguns dos alvos desta fase da Doce Amargo estão vinculados à facção criminosa Comando Vermelho, de Mato Grosso. Apesar disso, os delegados ainda não têm todas as informações sobre os presos, uma vez que a operação foi dispersa para ser cumprida em diversas delegacias.

As equipes ainda cumprem os mandados, logo, as 29 ordens de prisão cumpridas fazem parte do balanço parcial. Além disso, foram encontradas três armas de fogo, quase 20 mil reais em espécie e uma grande variedade de drogas, como maconha, LSD, pasta base de cocaína, ecstasy e cogumelos alucinógenos.

Além de Cuiabá e Várzea Grande, a operação tem focos em Castanheira, Campo Novo do Parecis, Cáceres e Foz do Iguaçu. Cerca de 20 bairros da região metropolitana da capital, incluindo os nobres, como Duque de Caxias, estão sob a vigilância.

 

 

Fonte: Informações/ Olhardireto