Há quatro bairros em Cuiabá com um índice preocupante de infestação pelo Aedes aegypti; vejam quais

0
197
Foto: Emanoele Daiane
CAMARA VG

Após a mobilização nacional para combater o mosquito Aedes aegypti, que transmite a dengue e outras desordens, alguns bairros de Cuiabá apresentaram índices de infestação preocupantes. A cidade tem registrado 316 notificações da doença, dos quais 295 foram confirmados.

Os bairros de maior risco são o Jardim União, o Parque Ohara, o Canjica e o Santa Rosa. Os números encontrados indicam um Índice de Infestação Predial de médio risco (1,0 a 3,9).

Dos 942 imóveis visitados, apenas 544 puderam ser vistoriados, o que resulta numa infestação predial de 2,39. Do total de 1089 imóveis visitados, 526 foram vistoriados, o que representa um índice de inflação predial de 1,71. No Jardim União, dos 988 imóveis visitados, 646 foram vistoriados, o que resultou numa inflação de 2,17. Dos 1.079 imóveis visitados no bairro Canjica, 789 foram vistoriados, o que resulta em um índice de infestação predial de 2,15.

De acordo com os indicadores encontrados nos bairros, percebemos que eles estão em uma situação de médio risco, ou seja, em um cenário um pouco mais favorável do que o estudo anterior realizado nestes locais. Apesar de ter sido um resultado satisfatório, é preciso salientar que não pudemos entrar em diversos imóveis visitados, seja porque eles estavam fechados no momento da visita ou por conta da recusa dos moradores. A fim de ter uma perspetiva mais nítida da situação da infestação do mosquito, é necessário ter acesso a uma maior percentagem de residências.

A ação contou com a participação de 200 agentes de combate às dengue, que realizaram visitas a residências, coletaram larvas e trataram de reservatórios em que a eliminação não era possível. Os agentes de saúde presentes enfatizaram a relevância da prática dos “Dez Minutos Contra a Dengue”, uma estratégia adotada pela Secretaria Municipal de Saúde, que consiste em dedicar dez minutos semanais para inspecionar e eliminar possíveis focos do mosquito.

 

 

Fonte: Informações/ Olhardireto