Quase 10% de todo território de Mato Grosso foi impactado pelo fogo em 2020


0
Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

Fonte: Olhar Direto

Mato Grosso teve o pior cenário em incêndios florestais dos últimos anos em 2020. A área impactada pelas chamas é de quase 10% de toda a área do estado. Em focos de calor, o estado atingiu o número mais alto desde 2007, com aumento de 54% em relação ao ano de 2019, quando o estado já havia registrado um aumento significativo em relação a 2018. Os dados são do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

De janeiro até o dia 16 de novembro, foram 8,5 milhões de hectares atingidos pelo fogo, uma área maior que soma da área de dois estados brasileiros, Sergipe e Rio Grande do Norte. Do total, quase metade foram áreas de floresta ou recentemente desmatadas.

As informações são da nota técnica “Balanço dos incêndios em Mato Grosso em 2020”, produzida pelo Instituto Centro de Vida (ICV) com base em dados da plataforma Global Fire Emissions Database, da NASA (National Aeronautics and Space Administration).

PANTANAL EM COLAPSO

Em 2019, a Amazônia foi o bioma mais severamente afetado no estado pelas queimadas. Em 2020, o pior cenário foi vivido pelo Pantanal. Apesar da Amazônia ainda liderar a lista de área atingida pelo fogo, com 3,2 milhões de hectares incendiados, o Pantanal foi proporcionalmente o mais atingido, com 2,15 milhões de hectares, o equivalente a 40% do bioma na porção mato-grossense. A Amazônia teve 6% de sua área no estado atingida, e o Cerrado 9%, com 3,1 milhões de hectares.

De toda a área afetada pelos incêndios no estado, cerca de 30% incidiu apenas nos municípios pantaneiros de Poconé, Barão de Melgaço e Cáceres. A situação de calamidade no bioma desencadeou uma crise para a biodiversidade e as populações tradicionais do Pantanal, que tiveram suas roças e florestas destruídas. “Uma ocorrência sem precedentes cujos efeitos ainda não sabemos por completo”, avalia Vinícius Silgueiro, coordenador do Núcleo de Inteligência Territorial do ICV.

FLORESTAS ATINGIDAS

A análise realizada com os dados da NASA trouxe informações inéditas sobre o tipo de vegetação atingida pelos incêndios em cada bioma no estado. As áreas são identificadas de acordo com a localização e características do fogo, como taxa de propagação, duração e intensidade. As informações são captadas via satélite e permitem traçar padrões para cada tipo de área impactada.

Para a identificação de áreas recém-desmatadas, os pesquisadores da NASA se utilizaram dos dados do PRODES, programa de monitoramento de desmatamento do Inpe. Nesta categoria, a Amazônia soma 29% do que foi atingido, enquanto o Cerrado soma 8% e o Pantanal, 6%. No Cerrado, a maior parte do fogo incidiu em áreas de savana e pastagem, predominantes no bioma e áreas mais suscetíveis ao avanço do fogo. Já no Pantanal, os dados confirmaram as estimativas realizadas anteriormente a partir dos focos de calor de que a maior parte incidiu em vegetação nativa: 64% do fogo ocorreu em áreas de floresta e sub-bosque, o que simboliza 1,3 milhão de hectares.

As pequenas roças e áreas de agricultura responderam por 6% da vegetação incendiada na Amazônia, 3% no Cerrado e 1% no Pantanal em Mato Grosso. Silgueiro destaca que somadas as áreas de floresta, sub-bosque e áreas recémdesmatadas na Amazônia compõem a maior parte do que atingido no bioma, com 1,8 milhão de hectares incendiados – 55% de todo o fogo no bioma. “Mais da metade de regiões de florestas ou que eram florestas recentemente”, diz.

CATEGORIAS FUNDIÁRIAS

Quase metade dos incêndios no estado, aponta a análise, incidiu em imóveis rurais inscritos no Cadastro Ambiental Rural (CAR), responsáveis por 3,96 milhões de hectares incendiados. A categoria é seguida das áreas não cadastradas, com 1,92 milhão de hectares e das Terras Indígenas (TIs), com 1,3 milhão impactado

Nessa última categoria, lidera a lista o Parque Nacional do Xingu, terra indígena localizada na Amazônia que teve incendiados cerca de 224 mil hectares. As Unidades de Conservação (UCs) registraram 9%, com 806 mil hectares e os projetos de assentamentos respondem pelos 7% restantes, com 550 mil hectares atingidos pelo fogo no período analisado.

A identificação das categorias fundiárias mais atingidas pelo fogo, o detalhamento dos municípios mais críticos, os tipos de áreas atingidas pelo fogo e os meses mais críticos em cada região são informações que podem apoiar no planejamento para o combate e prevenção aos incêndios florestais. O ICV é membro convidado do comitê do Plano de Ação para Prevenção e Controle do Desmatamento e Incêndios Florestais no Estado de Mato Grosso (PPCDIF/MT).

Deixe um comentário